Cuidados básicos para evitar a falência

post-servicoop-cuidados-para-evitar-falenciaA ideia de falência assusta muita gente, porque é dura e realista. Afinal de contas, ninguém quer trabalhar ou herdar um dinheiro para não aproveitá-lo futuramente. Ou até falir no primeiro ano de riqueza. Mas me responda: por que muitos ricaços acabam falidos? Qual é o problema deles? É má administração do dinheiro? Golpe? Má sorte? Se existe tanto medo quanto à falência, porque muitas pessoas acabam transformando fortunas em migalhas? Bem, a resposta para esses questionamentos podem ser inúmeras. No entanto, na maioria dos casos, as falências se resumem a apenas uma coisa: gastos excessivos.

E sabe por que isso acontece? Porque quem é rico costuma sustentar padrões de vida muito altos. E quando eles são afetados por crises financeiras, maus investimentos ou apostas erradas no mercado financeiro, simplesmente ignoram o fato do dinheiro não brotar em árvore. Falir é uma possibilidade até mesmo para quem é milionário.

Hábitos antigos
A mídia nos traz todos os anos histórias de famosos que perderam todos os bens da noite para o dia, metaforicamente falando. Mesmo com contratos milionários ou milhares de discos vendidos, muitos deles não conseguem dar conta de segurar a mão na hora das compras. E, seguindo esta lógica, a pessoa vai falir.

Um tema comum por trás de muitas dessas histórias é o nível excessivamente alto de gastos em casas, veículos, jóias e roupas. A capacidade de uma pessoa gerar riqueza e desfrutar de um poder substancial de ganhos não as torna necessariamente capazes de sustentar esse padrão. Porque, minhas amigas, uma hora a grana acaba.

Não sabem lidar com o dinheiro que já têm
Várias pessoas ricas que empobrecem, envolvem escolhas ou estratégias de investimento ruins. Uma pessoa rica tem que ter a ideia certa para investir em algo rentável e tentar fazer crescer sua riqueza em longo prazo. Até porque é preciso fazer algo com a grana para não falir. No entanto, muita gente acaba depositando seus fundos em projetos falhos.

Mas há também aqueles que gastam o que não podem, para sustentar um padrão de vida muito alto. O problema, neste caso, não é quanto a pessoa ganha, mas o quanto ela gasta. Isso porque o poder de compra ilude e induz ao consumismo. A consequência disso, acaba sendo o endividamento e isso leva o indivíduo a falir.

Acham que o dinheiro não irá acabar
Muitas vezes, ouvimos histórias sobre celebridades, atletas e outras pessoas que ganharam riquezas substanciais e, de repente, foram cercadas por todos os seus velhos amigos e familiares. Riqueza atrai pessoas e, infelizmente, essas pessoas, às vezes, têm más intenções.

Por isso, é importante ter em mente que o dinheiro uma hora pode acabar. E há possibilidade de você falir. Do contrário, você vai ser benéfica com parentes e pessoas próximas, abrindo mão da sua riqueza, por causa de terceiros. E não se engane, mesmo que essas pessoas não recebam um salário baixo, eles podem olhar para você e enxergar um pote de ouro.

Neste momento é bom estabelecer limites e deixar claro que você é controlada com a sua grana. Não importa quanto dinheiro tenha uma pessoa, porque ele pode se esgotar se não for gerenciado com cuidado. E ninguém quer falir, certo?

*Leila Ghiorzi é coach financeira e aluna do curso de especialização em Finanças, Investimentos e Banking da PUCRS. Possui formação complementar em Investimentos e Intermediação Financeira pela FGV e formação executiva em Finanças Corporativas pela UCAM.

Leia também

post-servicoop-Inteligencia-emocional-gastos
Qual a relação entre sua inteligência emocional e os gastos do dia a dia?

A inteligência financeira é algo essencial para todos nós sobrevivermos, especialmente nestes tempos de recessão. Porém este conceito não é formado meramente por uma definição de palavras ou por uma simples organização de finanças. Nossa carga emocional nos impede de obter o conhecimento necessário para lidar com as economias. Para tanto, antes de lidar com […]

post-servicoop-criança-finança
Desde quando finança é assunto para criança?

Para ter um país com cidadãos conscientes do seu desenvolvimento econômico, é importante que as pessoas aprendam mais sobre finanças pessoais. E isso deveria começar na escola. Por que não? As crianças devem ser orientadas para fazer as escolhas certas, para que no futuro não se vejam presos em um emaranhado de dívidas. Investir na […]