Uma breve história sobre a criação dos cartões de crédito

post-servicoop-historia-cartoes-creditoPara apreciar completamente a conveniência moderna do cartão de crédito, simplesmente insira o seu cartão na maquininha e faça uma reflexão, enquanto ele processa. Considere o que ele substituiu e como a praticidade que oferece revolucionou a nossa interação com o dinheiro.

Antes do plástico, o dinheiro como meio de troca de bens e serviços era comprometedor, para não falar perigoso. Desde o início, os cartões oferecem vantagens significativas sobre todas as formas de dinheiro. Eles cabem no bolso, são facilmente portáteis, relativamente seguros e não têm valor próprio (o objeto de plástico).

Como o cartão de crédito foi criado

A ideia deste tipo de cartão não começou com o Diners Club – mas a ideia de Frank McNamara foi uma grande melhoria em relação ao que já existia.

Na década de 1920, lojas de departamento e companhias de petróleo começaram a oferecer placas de carga de metal e “cartões de cortesia” aos seus clientes, para usarem em compras. Esses cartões eram aceitos apenas pelos comerciantes que os emitiam, semelhantes aos cartões das lojas modernas. Os restaurantes, por exemplo, nem sequer ofereciam esses cartões.

O Diners Club aprimorou a ideia e lançou cartões que buscavam aceitação em massa. Cobrava aos comerciantes uma taxa de 7% em cada transação, mas assegurava que os portadores de cartão gastariam mais do que os não-portadores. Enquanto prometia conveniência aos portadores de cartões – apenas uma fatura mensal para despesas, era um símbolo de status para guardar na carteira.

O primeiro cartão de crédito

Em seu primeiro aniversário, o Diners Club atraiu 42 mil membros e alguns concorrentes. Sendo que em 1953, tornou-se o primeiro cartão de débito aceito internacionalmente, segundo a própria empresa.

Porém, anos depois, ele ganhou dois concorrentes de peso. O primeiro deles, o BankAmericard, foi aceito em uma infinidade de estabelecimentos. Ele é o que conhecemos hoje como VISA. Neste mesmo ano, o Master Charge também foi criado.

Embora o seu sucesso não fosse tão grande quanto do VISA, conquistou grande clientela e chegou a mudar o nome para MasterCard. Hoje, é a segunda bandeira de cartões mais forte do mundo.

O cartão de crédito no Brasil

Se engana quem pensa que os cartões demoraram a chegar ao país. No ano de 1954, pouco tempo depois de sua criação, o objeto foi trazido ao Brasil, com a bandeira Diners Club. Primeiro ele foi lançado apenas em 1956, em um modelo diferente, semelhante aos cartões pré-pagos que temos hoje, sem a função crédito.

Em 1958, o cartão ELO chegou para fazer frente a concorrênoncia, criado a partir da união entre instituições financeiras brasileiras. Na época ele era uma parceria com o BankAmericard (atual VISA). Somente 10 anos depois, o Credicard foi lançado no Brasil. Ele era voltada para o mercado interno e fez muito sucesso entre os consumidores. Um reflexo disso foi a compra da Diners Club do Brasil em 1984.

Resumo…

Dos últimos 20 anos para cá, mais de 70 bandeiras nacionais de cartão surgiram, algumas voltadas para o mercado interno, outras para se comprar no exterior.

O fato é que hoje os brasileiros contam com uma infinidade de opções e existem até cartões que não são vinculados a nenhuma conta bancária! Liberdade!

* Leila Ghiorzi é coach financeira e aluna do curso de especialização em Finanças, Investimentos e Banking da PUCRS. Possui formação complementar em Investimentos e Intermediação Financeira pela FGV e formação executiva em Finanças Corporativas pela UCAM.

Leia também

post-servicoop-criança-finança
Desde quando finança é assunto para criança?

Para ter um país com cidadãos conscientes do seu desenvolvimento econômico, é importante que as pessoas aprendam mais sobre finanças pessoais. E isso deveria começar na escola. Por que não? As crianças devem ser orientadas para fazer as escolhas certas, para que no futuro não se vejam presos em um emaranhado de dívidas. Investir na […]

post-qi-financeiro
Descubra como se avalia o QI Financeiro

Para medir a inteligência inata de uma pessoa, é comum utilizarmos o Quociente de Inteligência – QI. Em finanças, o medidor que utilizamos para saber se a pessoa faz boas escolhas financeiras é o QI Financeiro. Ele consiste da aptidão da pessoa para assuntos sobre dinheiro e apoia-se em quatro pilares: 1. Proteger seu dinheiro […]