Descubra como se avalia o QI Financeiro

post-qi-financeiro

Para medir a inteligência inata de uma pessoa, é comum utilizarmos o Quociente de Inteligência – QI. Em finanças, o medidor que utilizamos para saber se a pessoa faz boas escolhas financeiras é o QI Financeiro. Ele consiste da aptidão da pessoa para assuntos sobre dinheiro e apoia-se em quatro pilares:

1. Proteger seu dinheiro
2. Multiplicar seu dinheiro
3. Controlar os gastos
4. Aumentar a renda

1) Proteger seu dinheiro
O primeiro pilar do QI Financeiro é proteger seu dinheiro, que consiste em ter consciência da sua situação patrimonial, acompanhar a evolução dos seus bens e colocar em primeiro lugar a sua educação financeira. Acostume-se a falar sobre dinheiro sem medo de parecer inconveniente, enfrente a realidade na qual você se encontra e trace um plano para melhorar sempre. Faça uma previsão do quanto gastará ao longo dos próximos meses, anote as despesas neste período e compare os valores. Houve discrepância? Por que isso aconteceu? Como fazer para que o planejamento seja mais próximo da realidade?

2) Multiplicar seu dinheiro
O segundo pilar do QI Financeiro consiste em aprender a multiplicar seu dinheiro com novos investimentos, que ofereçam rendimentos acima da média do mercado. Para isso, procure cursos (o primeiro passo você já deu ao fazer este curso!), livros e palestras sobre o assunto. Tire suas dúvidas com especialistas, marque conversas com consultores. Para alavancar seu dinheiro, procure encontrar as boas oportunidades de negócios, descubra como você pode se beneficiar delas. Estabeleça metas a serem atingidas e estipule recompensas para quando bater cada uma delas. Pode ser um passeio, uma viagem, uma ida a um restaurante novo… Algo que estimule você a continuar no caminho da riqueza.

3) Controlar os gastos
O terceiro pilar do QI financeiro trata sobre controlar os gastos. Evite os supérfluos e blinde seu dinheiro. Cada centavo economizado é um centavo que irá trabalhar para aumentar seu patrimônio e lhe deixar mais perto dos seus objetivos. Estabeleça valores-teto para os gastos com energia elétrica, gás, habitação etc. e desafie a sua família a entrar no jogo. Juntos a “corrida da economia” pode ser divertida! Promova a renegociação dos contratos com a academia, televisão a cabo, escolha dos filhos. Para quem tem paciência de tomar a iniciativa, todas essas modalidades oferecem renegociações vantajosas ao consumidor.

4) Aumentar a renda
Vá atrás de novas fontes de renda e faça o seu dinheiro trabalhar para você. Fortaleça seus diferenciais competitivos e exija uma remuneração maior, ou gere produtos que você possa vender de forma autônoma. Uma boa alternativa é oferecer cursos e palestras sobre sua expertise profissional, ou lançar um livro sobre o assunto. Se você quiser um passo maior, pense em como aproveitar o boom imobiliário daquele bairro novo na sua cidade, ou converse com um assessor de investimentos sobre aquele seu dinheiro parado na poupança.

* Leila Ghiorzi, coach financeira com formação complementar em investimentos e intermediação financeira. Autora do projeto É da Minha Conta.