Cuidados básicos para evitar a falência

post-servicoop-cuidados-para-evitar-falenciaA ideia de falência assusta muita gente, porque é dura e realista. Afinal de contas, ninguém quer trabalhar ou herdar um dinheiro para não aproveitá-lo futuramente. Ou até falir no primeiro ano de riqueza. Mas me responda: por que muitos ricaços acabam falidos? Qual é o problema deles? É má administração do dinheiro? Golpe? Má sorte? Se existe tanto medo quanto à falência, porque muitas pessoas acabam transformando fortunas em migalhas? Bem, a resposta para esses questionamentos podem ser inúmeras. No entanto, na maioria dos casos, as falências se resumem a apenas uma coisa: gastos excessivos.

E sabe por que isso acontece? Porque quem é rico costuma sustentar padrões de vida muito altos. E quando eles são afetados por crises financeiras, maus investimentos ou apostas erradas no mercado financeiro, simplesmente ignoram o fato do dinheiro não brotar em árvore. Falir é uma possibilidade até mesmo para quem é milionário.

Hábitos antigos
A mídia nos traz todos os anos histórias de famosos que perderam todos os bens da noite para o dia, metaforicamente falando. Mesmo com contratos milionários ou milhares de discos vendidos, muitos deles não conseguem dar conta de segurar a mão na hora das compras. E, seguindo esta lógica, a pessoa vai falir.

Um tema comum por trás de muitas dessas histórias é o nível excessivamente alto de gastos em casas, veículos, jóias e roupas. A capacidade de uma pessoa gerar riqueza e desfrutar de um poder substancial de ganhos não as torna necessariamente capazes de sustentar esse padrão. Porque, minhas amigas, uma hora a grana acaba.

Não sabem lidar com o dinheiro que já têm
Várias pessoas ricas que empobrecem, envolvem escolhas ou estratégias de investimento ruins. Uma pessoa rica tem que ter a ideia certa para investir em algo rentável e tentar fazer crescer sua riqueza em longo prazo. Até porque é preciso fazer algo com a grana para não falir. No entanto, muita gente acaba depositando seus fundos em projetos falhos.

Mas há também aqueles que gastam o que não podem, para sustentar um padrão de vida muito alto. O problema, neste caso, não é quanto a pessoa ganha, mas o quanto ela gasta. Isso porque o poder de compra ilude e induz ao consumismo. A consequência disso, acaba sendo o endividamento e isso leva o indivíduo a falir.

Acham que o dinheiro não irá acabar
Muitas vezes, ouvimos histórias sobre celebridades, atletas e outras pessoas que ganharam riquezas substanciais e, de repente, foram cercadas por todos os seus velhos amigos e familiares. Riqueza atrai pessoas e, infelizmente, essas pessoas, às vezes, têm más intenções.

Por isso, é importante ter em mente que o dinheiro uma hora pode acabar. E há possibilidade de você falir. Do contrário, você vai ser benéfica com parentes e pessoas próximas, abrindo mão da sua riqueza, por causa de terceiros. E não se engane, mesmo que essas pessoas não recebam um salário baixo, eles podem olhar para você e enxergar um pote de ouro.

Neste momento é bom estabelecer limites e deixar claro que você é controlada com a sua grana. Não importa quanto dinheiro tenha uma pessoa, porque ele pode se esgotar se não for gerenciado com cuidado. E ninguém quer falir, certo?

*Leila Ghiorzi é coach financeira e aluna do curso de especialização em Finanças, Investimentos e Banking da PUCRS. Possui formação complementar em Investimentos e Intermediação Financeira pela FGV e formação executiva em Finanças Corporativas pela UCAM.

Leia também

post-servicoop-historia-cartoes-credito
Uma breve história sobre a criação dos cartões de crédito

Para apreciar completamente a conveniência moderna do cartão de crédito, simplesmente insira o seu cartão na maquininha e faça uma reflexão, enquanto ele processa. Considere o que ele substituiu e como a praticidade que oferece revolucionou a nossa interação com o dinheiro. Antes do plástico, o dinheiro como meio de troca de bens e serviços […]

post-qi-financeiro
Descubra como se avalia o QI Financeiro

Para medir a inteligência inata de uma pessoa, é comum utilizarmos o Quociente de Inteligência – QI. Em finanças, o medidor que utilizamos para saber se a pessoa faz boas escolhas financeiras é o QI Financeiro. Ele consiste da aptidão da pessoa para assuntos sobre dinheiro e apoia-se em quatro pilares: 1. Proteger seu dinheiro […]